A Academia – Parte II

O início da década de 1970 assinala um novo afastamento do recinto acadêmico. Ano eleitoral, decidi buscar de novo um mandato parlamentar, desta feita para a Câmara Federal, pela oposição. Com sufrágio expressivo de mais de vinte mil votos, não me elegi, enquanto via meu pai conquistar seu sétimo e último mandato no Congresso Nacional. Acredito que meu insucesso se deveu a um discurso incompatível a um eleitorado que fora comum e não aglutinador de um novo público.

O ano de 1971 registra meu retorno definitivo à Universidade. É justamente na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP que retomo, como Auxiliar de Ensino Voluntário, as atividades de pesquisa, na disciplina de “Planejamento Urbano e Territorial”, com os Profs. Drs. Lauro Bastos Birkholz e Breno Cyrino Nogueira.

Nesse mesmo ano, no mês de abril, a Escola de Comunicações e Artes, por meio de seu Departamento de Relações Públicas e Propaganda, realiza processo seletivo para preenchimento de vaga para a disciplina recém criada “Turismo e Desenvolvimento”, oferecida então aos alunos dos cursos de Relações Públicas e de Jornalismo. Inscrevi-me nesse certame e fui aprovado. É aqui que se inicia a minha carreira docente na ECA e na USP.

Nessa mesma época, conheci o Prof. Dr. Modesto Farina, então Chefe do Departamento de Relações Públicas e Propaganda, a quem reconheço o grande incentivador e patrono da minha trajetória na titulação acadêmica, encorajando-me, no ano letivo de 1971, a disputar bolsas de estudo no exterior, que consegui ganhar, começando pela Universidade de Tóquio, Japão, em curso patrocinado pela Japan International Cooperation Agency.

O Ministério da Educação e Cultura, pelos Pareceres Nº 106/72 e 108/72, credenciou-me como o Primeiro Professor Regente das disciplinas “Teoria e Técnica de Turismo” e “Planejamento e Organização do Turismo”. A partir desse credenciamento, inicio atividades docentes nessas disciplinas em Faculdades particulares, como as Faculdades de Turismo do Morumbi e a Ibero-Americana.

Fui designado, em 1972, pelo Chefe do Departamento de Relações Públicas e Propaganda – CRP da ECA, Prof. Dr. Modesto Farina, para elaborar o plano de implantação do curso de Turismo na ECA/USP, que levou a sugestão ao então Diretor da ECA, Prof. Dr. Manoel Nunes Dias, que encaminhou à Congregação da Escola que aprovou a deliberação. Para o projeto de estrutura curricular, consultei alguns centros de estudos no exterior, notadamente o Centro des Hautes Études de Tourisme da Universidade de Aix-en-Provence, sob a orientação do Prof. Dr. René Baretje, onde, algum tempo depois, havia feito um curso de extensão universitária, ao mesmo tempo em que selecionei alguns professores das unidades da USP retro mencionadas e de outras escolas particulares de nível superior, para comporem o corpo docente do futuro curso.

Reunido com esses professores, discutimos e aprovamos conjuntamente esse projeto e preparamos o conteúdo programático das disciplinas do currículo pleno, integrando-o e compatibilizando-o às disciplinas do Curso de Comunicação Social da ECA. Nesta fase preparatória, quero destacar decisivo apoio e trabalho dos saudosos Prof. Dr. Antonio Rocha Penteado, titular do Departamento de Geografia da FFLCH e Prof. Dr. José Carrato titular do Departamento de História da FFLCH.. Terminado esse projeto, este foi aprovado no mesmo ano letivo pela Congregação da ECA e Conselho Universitário, e oferecido já no ano seguinte como opção do Curso de Comunicação. Teve, como seu primeiro coordenador, o Prof. Dr. Antonio Rocha Penteado.